www.irineupedrotti.com.br Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forense ACÓRDÃOS   Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forense TERMO DE USO    Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forense DEDICATÓRIA   Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forense CARREIRA    
Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forenseINÍCIO Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forenseCADASTRO Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forenseMENSAGENS    Registre-se    Login  
Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forense
Irineu Pedrotti acórdãos modelos de petições acidentes trabalho  direito justiça  modelos  petição contrato aluguel tribunal alçada notícias despejo acórdão ementa sorteio código condomínio incorporações previdência aposentadoria invalidez carreira indicadores econômicos IGPM poupança INPC Selic TR Ufesp Ufir leis legislação constituição São Paulo Menu principal

Irineu Pedrotti acórdãos modelos de petições acidentes trabalho  direito justiça  modelos  petição contrato aluguel tribunal alçada notícias despejo acórdão ementa sorteio código condomínio incorporações previdência aposentadoria invalidez carreira indicadores econômicos IGPM poupança INPC Selic TR Ufesp Ufir leis legislação constituição São Paulo Contato

Irineu Pedrotti acórdãos modelos de petições acidentes trabalho  direito justiça  modelos  petição contrato aluguel tribunal alçada notícias despejo acórdão ementa sorteio código condomínio incorporações previdência aposentadoria invalidez carreira indicadores econômicos IGPM poupança INPC Selic TR Ufesp Ufir leis legislação constituição São Paulo Galeria
2.jpg

Irineu Pedrotti acórdãos modelos de petições acidentes trabalho  direito justiça  modelos  petição contrato aluguel tribunal alçada notícias despejo acórdão ementa sorteio código condomínio incorporações previdência aposentadoria invalidez carreira indicadores econômicos IGPM poupança INPC Selic TR Ufesp Ufir leis legislação constituição São Paulo Acesso

Irineu Pedrotti acórdãos modelos de petições acidentes trabalho  direito justiça  modelos  petição contrato aluguel tribunal alçada notícias despejo acórdão ementa sorteio código condomínio incorporações previdência aposentadoria invalidez carreira indicadores econômicos IGPM poupança INPC Selic TR Ufesp Ufir leis legislação constituição São Paulo Usuários online
8 visitantes online (8 na seção: Novidades)

Usuários: 0
Visitantes: 8

mais...

Irineu Pedrotti acórdãos modelos de petições acidentes trabalho  direito justiça  modelos  petição contrato aluguel tribunal alçada notícias despejo acórdão ementa sorteio código condomínio incorporações previdência aposentadoria invalidez carreira indicadores econômicos IGPM poupança INPC Selic TR Ufesp Ufir leis legislação constituição São Paulo Busca
Vocabulário : Dignar-se..., ou dignar-se de..., ou dignar-se a/em... ?
em 24/2/2007 13:40:00 (2124 leituras)

Qual o correto?



Dignar-se

1) Quanto à pronúncia de certas formas desse verbo, é de se anotar que, mesmo entre as pessoas cultas, há uma tendência a introduzir uma vogal logo após o g que encerra o radical, nas formas rizotônicas, pronunciando-se diguino, diguinas...

2) Trata-se, porém, de verbo regular, em que, após o radical (dign), apenas se acrescentam as desinências próprias da conjugação: digno, dignas, digna...; digne, dignes..., com a sílaba tônica incidindo no próprio radical.1

3) Atento aos freqüentes equívocos que ocorrem nesse campo, observa Artur de Almeida Torres que "a vogal i do verbo dignar-se deve ser fortemente proferida nas formas rizotônicas".2

4) Como as formas rizotônicas apenas ocorrem no presente do indicativo, presente do subjuntivo, imperativo afirmativo e imperativo negativo, a flexão desse verbo não traz dúvidas em outros tempos.

5) Quanto à regência verbal, trata-se de verbo transitivo indireto que pede a preposição de. Ex.: "Espero que V. Exa. se digne de ouvir minhas ponderações a respeito".

6) Pode-se também usá-lo com a elipse da preposição, de modo que é correta a frase: "Espero que V. Exa. se digne ouvir minhas ponderações a respeito".

7) Artur de Almeida Torres, fundando-se em diversos exemplos de autores abalizados de nosso idioma, sintetiza a regência desse verbo asseverando que é "essencialmente pronominal, seguido de infinitivo, com a preposição de clara ou omissa, indiferentemente".3

8) Em estudo específico sobre a linguagem de Antônio Feliciano de Castilho, cuja imitação recomenda, anota Vasco Botelho de Amaral que ele usa "a regência de saibo clássico dignar-se de, que se vai olvidando injustamente".4

9) Luís A. P. Vitória dá por corretas ambas as formas, vale dizer, com ou sem a preposição de.5

10) Na lição de Cândido de Oliveira, "reflexivo, aceita construção com de ou sem ele".6

11) Para Cândido Jucá Filho, "a construção de dignar-se sem de não é errada, mas geralmente usada, e de bom quilate".7

12) Vale, no caso, a tríplice observação de Domingos Paschoal Cegalla:

I) "Normalmente, constrói-se com a preposição de, seguida de infinitivo";

 

II) "Pode-se omitir a preposição";

 

III) "É inadequada a preposição a".8

Exs.:

a) "O magistrado se dignou de receber o impaciente advogado" (correto);

 

b) "O magistrado se dignou receber o impaciente advogado" (correto);

 

c) "O magistrado se dignou a receber o impaciente advogado" (errado).

13) Essa também é a observação de Arnaldo Niskier, o qual, após repisar o entendimento de que tal verbo "usa-se com a preposição de ou com a elipse dela", adiciona o aspecto significativo de que "a tendência verificada na oralidade - o uso com a preposição a - ainda é condenada pela norma".9

14) Francisco Fernandes, de igual modo, refere a possibilidade de sintaxe com a preposição de ou mesmo "com elipse da preposição", mas não refere a terceira possibilidade, que é o emprego da preposição a. Exs.:

a) "Vossa Excelência se dignou de ouvir-me a esse respeito" (Rui Barbosa);

 

b) "A valiosa esmola que Vossa Excelência se dignou oferecer, aceitá-la-ei quando lhe aprouver" (Camilo Castelo Branco).

15) E adiciona tal autor a possibilidade de seu emprego "como fórmula de deferência para com as pessoas gradas". Ex.: "Digne-se Vossa Excelência aceitar os meus respeitos" (Caldas Aulete).10

16) Celso Pedro Luft segue em igual caminho, resumindo:

a) "Dignar-se de + infinitivo é a sintaxe plena";

 

b) "a construção dignar-se + infinitivo se explica por elipse da preposição".11

17) Também para Sousa e Silva, tal verbo "pode construir-se com a preposição de ou sem preposição".12

18) Estabelecida a premissa comumente aceita de que, em tais casos, facultativo é o emprego da preposição, de Adalberto J. Kaspary vem oportuna e final observação acerca do emprego de tal verbo: "Em requerimentos e petições em geral, sugere-se, em nome da simplicidade e funcionalidade da linguagem, omitir o verbo dignar-se. Assim, em vez de Fulano de Tal requer a V. Exa. se digne (de) autorizar..., escreva-se apenas: Fulano de tal requer a V. Exa. (que) autorize...".13

19) De modo específico para a consulta formulada, pode-se dizer que estão corretas ambas as formas:

I) "Requer a Vossa Excelência digne-se de deferir...";

 

II) "Requer a Vossa Excelência digne-se deferir...".

20) Não há registros, nos melhores autores, contudo, que respaldem o emprego de dignar-se em, de modo que deve ser reputada errônea a seguinte forma de expressão: "Requer-se a Vossa Excelência digne-se em deferir..."

________

1Cf. SACCONI, Luiz Antônio. Nossa Gramática. 1. ed. São Paulo: Editora Moderna, 1979. p. 20.

2Cf. TORRES, Artur de Almeida. Moderna Gramática Expositiva. 18. ed. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura, 1966. p. 107.

3Cf. TORRES, Artur de Almeida. Regência Verbal. 7. ed. Rio de Janeiro . São Paulo: Editora Fundo de Cultura S/A, 1967. p. 119.

4Cf. AMARAL, Vasco Botelho de. Estudos Vernáculos. Porto: Editora Educação Nacional, 1939. p. 64.

5Cf. VITÓRIA, Luiz A. P. Dicionário de Dificuldades, Erros e Definições de Português. 4. ed. Rio de Janeiro: Tridente, 1969. p. 94.

6Cf. OLIVEIRA, Cândido de. Revisão Gramatical. 10. ed. São Paulo: Editora Luzir, 1961. p. 276.

7Cf. JUCÁ FILHO, Cândido. Índice Alfabético e Crítico da Obra de Mário Barreto. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1981. p. 61.

8Cf. CEGALLA, Domingos Paschoal. Dicionário de Dificuldades da Língua Portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999. p. 122.

9Cf. NISKIER, Arnaldo. Questões Práticas da Língua Portuguesa: 700 Respostas. Rio de Janeiro: Consultor, Assessoria de Planejamento Ltda., 1992. p. 104.

10Cf. FERNANDES, Francisco. Dicionário de Verbos e Regimes. 4. ed., 16. reimpressão. Porto Alegre: Editora Globo, 1971. p. 241-242.

11Cf. LUFT, Celso Pedro. Dicionário Prático de Regência Verbal. 8. ed. São Paulo: Ática, 1999. p. 212.

12Cf. SILVA, A. M. de Sousa e. Dificuldades Sintáticas e Flexionais. Rio de Janeiro: Organização Simões Editora, 1958. p. 107.

13Cf. KASPARY, Adalberto J. O Verbo na Linguagem Jurídica . Acepções e Regimes. 4. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 1996. p. 137.


Manual de Redação Profissional

José Maria da CostaExtraído da página na internet :http://www.migalhas.com.br/mig_gramaticais.aspx

Avaliação: 0.00 (0 votos) - Avalie esta notícia -


Outros artigos
15/1/2019 7:05:26 - O caso Battisti
14/1/2019 7:53:16 - Honorários inconstitucionais
29/12/2018 7:11:19 - A separação dos Poderes
27/12/2018 18:43:46 - Justiça que tarda falha
22/12/2018 19:22:01 - Deboche no Supremo
15/12/2018 8:00:31 - Lições do AI-5
15/12/2018 7:58:35 - Não é tarefa do CNJ
13/12/2018 8:35:59 - O Fies e o novo governo
4/12/2018 7:36:07 - Imoralidade
2/12/2018 8:38:22 - O Supremo obstruído

Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forense