www.irineupedrotti.com.br Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forense ACÓRDÃOS   Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forense TERMO DE USO    Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forense DEDICATÓRIA   Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forense CARREIRA    
Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forenseINÍCIO Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forenseCADASTRO Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forenseMENSAGENS    Registre-se    Login  
Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forense
Irineu Pedrotti acórdãos modelos de petições acidentes trabalho  direito justiça  modelos  petição contrato aluguel tribunal alçada notícias despejo acórdão ementa sorteio código condomínio incorporações previdência aposentadoria invalidez carreira indicadores econômicos IGPM poupança INPC Selic TR Ufesp Ufir leis legislação constituição São Paulo Menu principal

Irineu Pedrotti acórdãos modelos de petições acidentes trabalho  direito justiça  modelos  petição contrato aluguel tribunal alçada notícias despejo acórdão ementa sorteio código condomínio incorporações previdência aposentadoria invalidez carreira indicadores econômicos IGPM poupança INPC Selic TR Ufesp Ufir leis legislação constituição São Paulo Contato

Irineu Pedrotti acórdãos modelos de petições acidentes trabalho  direito justiça  modelos  petição contrato aluguel tribunal alçada notícias despejo acórdão ementa sorteio código condomínio incorporações previdência aposentadoria invalidez carreira indicadores econômicos IGPM poupança INPC Selic TR Ufesp Ufir leis legislação constituição São Paulo Galeria
MMDC_23.jpg

Irineu Pedrotti acórdãos modelos de petições acidentes trabalho  direito justiça  modelos  petição contrato aluguel tribunal alçada notícias despejo acórdão ementa sorteio código condomínio incorporações previdência aposentadoria invalidez carreira indicadores econômicos IGPM poupança INPC Selic TR Ufesp Ufir leis legislação constituição São Paulo Acesso

Irineu Pedrotti acórdãos modelos de petições acidentes trabalho  direito justiça  modelos  petição contrato aluguel tribunal alçada notícias despejo acórdão ementa sorteio código condomínio incorporações previdência aposentadoria invalidez carreira indicadores econômicos IGPM poupança INPC Selic TR Ufesp Ufir leis legislação constituição São Paulo Usuários online
14 visitantes online (13 na seção: Novidades)

Usuários: 0
Visitantes: 14

mais...

Irineu Pedrotti acórdãos modelos de petições acidentes trabalho  direito justiça  modelos  petição contrato aluguel tribunal alçada notícias despejo acórdão ementa sorteio código condomínio incorporações previdência aposentadoria invalidez carreira indicadores econômicos IGPM poupança INPC Selic TR Ufesp Ufir leis legislação constituição São Paulo Busca
Notícias : A contribuição sindical
em 28/6/2018 7:54:08 (44 leituras)

A reforma trabalhista é um instrumento de aperfeiçoamento do regime sindical. Cabe agora ao STF respeitá-lo

A contribuição sindical

A reforma trabalhista é um instrumento de aperfeiçoamento do regime sindical. Cabe agora ao STF respeitá-lo

O Estado de S.Paulo

28 Junho 2018 | 03h00

Constam da pauta de hoje do plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) duas ações que questionam a constitucionalidade da reforma trabalhista aprovada pelo Congresso em julho do ano passado. O principal ponto atacado por essas ações é o fim da obrigatoriedade da contribuição sindical.

Na realidade, não estão em pauta apenas os dispositivos da Lei 13.467/2017, que aprovou a reforma, e sim a capacidade de o Legislativo legislar sobre matéria trabalhista. Inconformadas com a nova lei, as centrais sindicais foram à Justiça tentar reverter o resultado da votação do Congresso. Cabe ao STF respeitar as atribuições de cada Poder e confirmar a constitucionalidade da reforma trabalhista. A insegurança jurídica no Direito do Trabalho é especialmente deletéria, com danosos efeitos econômicos, sociais e institucionais.

Encaminhado ao STF na terça-feira passada, o parecer da Procuradoria-Geral da República (PGR) defende a plena constitucionalidade do fim da contribuição sindical obrigatória. “O regramento da matéria no conjunto da reforma trabalhista não apresenta configurar manobra legislativa”, diz a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, rebatendo os argumentos dos autores da Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) 5794.

A inconstitucionalidade estava no regime anterior, que consagrou uma contribuição sindical compulsória a todos os trabalhadores, independentemente de autorização ou vinculação ao sindicato da categoria. E, no entanto, a Carta Magna de 1988 é contundente na defesa da liberdade de associação sindical.

Logo após enumerar no art. 7.º os direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, a Constituição estabelece que “é livre a associação profissional ou sindical” (art. 8.º, caput) e que “ninguém será obrigado a filiar-se ou a manter-se filiado a sindicato” (art. 8.º, V). Ora, é uma afronta ao texto constitucional dizer que ninguém é obrigado a se filiar a sindicato, mas obrigar todos a contribuir com o sindicato.

Nas Adins que questionam a reforma trabalhista, afirma-se que a contribuição sindical seria um imposto e que eventuais mudanças exigiriam lei complementar. Como se sabe, a Lei 13.467/2017 é uma lei ordinária. Tal argumentação mostra a completa distorção vivida por muitos sindicatos, que julgam que suas atividades devam ser bancadas pelo Estado, por meio de impostos. Trata-se, como é óbvio, de uma tremenda aberração. Em seu parecer, a PGR lembrou que o STF tem entendimento pacífico de que a contribuição sindical não tem natureza tributária, podendo ser modificada por lei ordinária.

O sindicato é uma entidade de representação, devendo ser sustentado pelas contribuições voluntárias de seus associados. A reforma trabalhista constitui, assim, um importante avanço, resgatando o caráter de órgão de representação dos sindicatos. Muitas distorções, também político-eleitorais, provinham desse desconto compulsório no salário do trabalhador em benefício dos sindicatos.

Com a certeza de dispor desses recursos, as lideranças sindicais não tinham nenhum incentivo para atuar em favor dos reais interesses dos trabalhadores. A contribuição sindical obrigatória permitiu que os sindicatos se transformassem em poderosas estruturas a serviço de seus próceres.

Vale lembrar que a Lei 13.467/2017 não extinguiu a fonte de receita dos sindicatos, como às vezes equivocadamente se diz, dando a entender que, com a reforma aprovada no Congresso, o Judiciário teria agora responsabilidade de encontrar um modo de custear as atividades sindicais. A contribuição sindical continua existindo, apenas deixou de ser compulsória. Ou seja, a própria lei dá a solução financeira para os sindicatos: basta que eles trabalhem em prol de seus sindicalizados, predispondo-os a sustentar uma entidade que de fato defende seus interesses.

A reforma trabalhista é um poderoso instrumento de aperfeiçoamento do regime sindical, para que ele volte a representar o trabalhador. Cabe agora ao Supremo respeitar esse grande passo dado pelo Congresso, confirmando a plena constitucionalidade da Lei 13.467/2017.

Avaliação: 0.00 (0 votos) - Avalie esta notícia -


Outros artigos
25/9/2018 7:06:30 - A Receita e o auxílio-moradia
25/9/2018 7:04:09 - Fraudes em cartão de crédito já passam de 920 mil no País desde o início do ano
30/8/2018 6:59:09 - A farra dos sindicatos
18/8/2018 6:53:02 - Quando a Justiça não é isenta
17/8/2018 6:23:13 - Tribunal como palanque
12/8/2018 8:50:52 - Três anos depois de lei, 70% das domésticas estão na informalidade
12/8/2018 8:50:09 - A lerda espada da Justiça
9/8/2018 7:02:14 - O CNJ e o sistema prisional
6/8/2018 6:34:15 - Onda de violência fecha agências de banco e deixa cidades do interior sem dinheiro
18/7/2018 10:37:17 - Congresso desmoralizado

Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forense