www.irineupedrotti.com.br Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forense ACÓRDÃOS   Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forense TERMO DE USO    Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forense DEDICATÓRIA   Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forense CARREIRA    
Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forenseINÍCIO Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forenseCADASTRO Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forenseMENSAGENS    Registre-se    Login  
Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forense
Irineu Pedrotti acórdãos modelos de petições acidentes trabalho  direito justiça  modelos  petição contrato aluguel tribunal alçada notícias despejo acórdão ementa sorteio código condomínio incorporações previdência aposentadoria invalidez carreira indicadores econômicos IGPM poupança INPC Selic TR Ufesp Ufir leis legislação constituição São Paulo Menu principal

Irineu Pedrotti acórdãos modelos de petições acidentes trabalho  direito justiça  modelos  petição contrato aluguel tribunal alçada notícias despejo acórdão ementa sorteio código condomínio incorporações previdência aposentadoria invalidez carreira indicadores econômicos IGPM poupança INPC Selic TR Ufesp Ufir leis legislação constituição São Paulo Contato

Irineu Pedrotti acórdãos modelos de petições acidentes trabalho  direito justiça  modelos  petição contrato aluguel tribunal alçada notícias despejo acórdão ementa sorteio código condomínio incorporações previdência aposentadoria invalidez carreira indicadores econômicos IGPM poupança INPC Selic TR Ufesp Ufir leis legislação constituição São Paulo Galeria
MMDC_11.jpg

Irineu Pedrotti acórdãos modelos de petições acidentes trabalho  direito justiça  modelos  petição contrato aluguel tribunal alçada notícias despejo acórdão ementa sorteio código condomínio incorporações previdência aposentadoria invalidez carreira indicadores econômicos IGPM poupança INPC Selic TR Ufesp Ufir leis legislação constituição São Paulo Acesso

Irineu Pedrotti acórdãos modelos de petições acidentes trabalho  direito justiça  modelos  petição contrato aluguel tribunal alçada notícias despejo acórdão ementa sorteio código condomínio incorporações previdência aposentadoria invalidez carreira indicadores econômicos IGPM poupança INPC Selic TR Ufesp Ufir leis legislação constituição São Paulo Usuários online
4 visitantes online (4 na seção: Novidades)

Usuários: 0
Visitantes: 4

mais...

Irineu Pedrotti acórdãos modelos de petições acidentes trabalho  direito justiça  modelos  petição contrato aluguel tribunal alçada notícias despejo acórdão ementa sorteio código condomínio incorporações previdência aposentadoria invalidez carreira indicadores econômicos IGPM poupança INPC Selic TR Ufesp Ufir leis legislação constituição São Paulo Busca
Custom Search
Notícias : A Justiça em números
em 31/10/2016 8:59:13 (342 leituras)

O número de novos processos protocolados no ano passado nas Justiças Federal, Estadual e Trabalhista caiu em relação ao ano anterior

A Justiça em números

O número de novos processos protocolados no ano passado nas Justiças Federal, Estadual e Trabalhista caiu em relação ao ano anterior

O ESTADO DE SÃO PAULO

31 Outubro 2016 | 03h03

Divulgado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o balanço de 2015 dos 90 tribunais do País mostra que o Poder Judiciário continua apresentando as velhas deficiências de sempre – ou seja, altas taxas de congestionamento, demora excessiva na tramitação das ações, falta de agilidade na execução das sentenças e gastos de custeio que consomem 1,3% do Produto Interno Bruto, uma proporção muito maior do que a dos tribunais da Alemanha e da Inglaterra. Além de lenta e burocrática, a Justiça brasileira continua sendo cara, aponta o levantamento do CNJ.

Mesmo assim, o balanço apresenta três informações importantes. A primeira é que o número de novos processos protocolados no ano passado nas Justiças Federal, Estadual e Trabalhista caiu em relação ao ano anterior. Foram 27,3 milhões de novas ações em 2015, ante 29 milhões, em 2014. Foi a primeira vez, em cinco anos, que isso ocorreu. Mesmo assim, o número de processos novos – dos quais 56% chegaram aos tribunais por meio eletrônico – continua elevado. Entre os técnicos do Departamento de Pesquisas Judiciárias do CNJ, a dúvida é saber se a pequena queda no número de ações novas foi pontual ou se a sociedade brasileira está começando a buscar formas extrajudiciais para resolver suas pendências. Segundo o órgão, de cada dois brasileiros, um estava litigando judicialmente em 2014.

A segunda informação importante é que, no ano passado, o Judiciário conseguiu resolver em caráter definitivo 28,48 milhões de processos – cerca de 1,2 milhão a mais do que o número de novas ações judiciais. Também foi a primeira vez, em cinco anos, que isso aconteceu, revela o CNJ.

A terceira informação importante é que, dos 28,48 milhões de processos concluídos em 2015, cerca de 2,9 milhões foram resolvidos por meio de acordos. Foi a primeira vez que o CNJ incluiu os acordos em seus balanços. A Justiça do Trabalho foi a que mais se destacou: 25,3% de suas decisões foram obtidas dessa forma. Já na Justiça Federal, foram só 3%. A expectativa dos técnicos do Departamento de Pesquisas Judiciárias do CNJ é que esses números possam aumentar nos próximos anos.

Com relação ao estoque de processos, o balanço da Justiça revela que 73,9 milhões aguardam julgamento. Esse número é 2,6% maior do que o do fim de 2014, quando havia 72 milhões de ações em tramitação nas diferentes instâncias do Judiciário. Na chamada fase de conhecimento, na qual os juízes ouvem as partes e as testemunhas e analisam as provas, o tempo médio na prolatação de sentenças é de três anos e dois meses na Justiça estadual e de dois anos e seis meses na Justiça Federal. O maior entrave continua na fase de execução, relativa ao cumprimento das sentenças e dos acórdãos. Na primeira instância da Justiça estadual, o tempo médio de execução é de 8 anos e 11 meses. Na primeira instância da Justiça Federal, é de 7 anos e 9 meses. No caso específico da fase de execução nas ações fiscais, a taxa de congestionamento é de 91,9%.

O relatório mostra ainda que o montante das despesas do Poder Judiciário em 2015 foi de R$ 79,2 bilhões, 4,7% mais em comparação com o do ano anterior. Na prática, isso significa que o Poder Judiciário custou, em média, R$ 387,56 para cada cidadão brasileiro em 2015 – ante R$ 373,28, em 2014. O pagamento de salários, auxílios e outros benefícios de magistrados e serventuários judiciais, somado com os gastos com aposentadorias e servidores terceirizados, é responsável por 89% da despesa dos tribunais. Em 2015, cada um dos 17.338 juízes custou, em média, R$ 46 mil aos cofres públicos. Levando em conta a soma de todos os dias de afastamento, o balanço do CNJ revela que 1.161 magistrados permaneceram afastados da jurisdição durante 2015, pelos mais variados motivos.

Tornando o Judiciário mais transparente perante a sociedade, o relatório do CNJ deixa claro que a instituição continua deixando muito a desejar, em matéria de rapidez e eficiência.

Avaliação: 0.00 (0 votos) - Avalie esta notícia -


Outros artigos
14/3/2017 8:50:23 - Temer sanciona sem vetos lei que regulamenta cobrança de gorjetas
18/11/2016 9:06:02 - O PT e seu faz de conta
18/11/2016 9:04:41 - O intocável
10/11/2016 9:53:18 - O voto facultativo
9/11/2016 12:03:23 - Menos cargos comissionados
9/11/2016 12:02:16 - Carros e Brasil, o encalhe geralCarros e Brasil, o encalhe geral
8/11/2016 8:28:43 - Como os brasileiros veem a Justiça
8/11/2016 8:27:36 - Não perpetuar privilégios
31/10/2016 8:59:13 - A Justiça em números
11/10/2016 8:50:24 - A novela dos depósitos judiciais

Irineu Pedrotti é Desembargador do TJSP e publica acórdão modelo petição rural cível criminal vocabulário jurídico Condomínio Incorporações arrendamento mercantil leasing locação imobiliária doenças profissionais acidente trabalho infortunística concubinato latim forense